Há 200 anos, moradores da região já sabem de sua existência, mas, há 107 anos, a Gruta é registrada e o documento encontra-se, atualmente, na Paróquia do distrito de Itamuri. Segundo estes documentos, por despacho de 15 de julho de 1903, o Sr. Vigário José Franco conseguiu autorização para rezar a primeira missa no local. Em 09 de fevereiro de 1904, o Vigário José Franco e o reverendíssimo Vigário Forâneo da comarca, Padre Soares, benzeram e inauguraram a imagem de Nossa Senhora de Lourdes, sendo também nesse dia bento e inaugurado o altar de Pedra. Em 22 de dezembro de 1924 foi proibida terminantemente a celebração da missa por estar havendo brigas e confusões. Só voltaram a acontecer missas no local em 1945. Atualmente, é realizada missa todo 5º domingo do mês, em devoção a Nossa Senhora de Lourdes. Antônio Bagli, antigo morador da região, construiu um cruzeiro de madeira, que existira na parte externa da Gruta como forma de agradecimento. Alguns dos padres que já foram responsáveis por este lugar são: Padre José Turkenburg, um dos ilustres e saudosos componentes do corpo sacerdotal da Paróquia São Paulo; Padre Alexandre, um dedicado e devoto holandês - Vigário da Paróquia da Barra; Vigário José Franco e Padre Soares. Várias lendas formaram-se a respeito da Pedra Santa. Muitos mencionavam a aparição da Virgem no local, mas, não sabiam precisar a época, nem mencionar testemunhas do fato, uma vez que a Pedra Santa foi descoberta há mais de século e lendas e histórias se confundiram. Diziam que, antigamente, houve na gruta curas de paralisia e casos semelhantes. Também contavam, naquela ocasião, que há muitos anos, num dia de tempestade, um lavrador desrespeitou o local, nela se abrigando com seu carro de bois cheio de milho. Como o temporal demorou, o homem acabou por adormecer. Ao acordar, verificou, estupefato, que o carro, desatrelado, encontrava-se na clareira que existe diante da gruta. Que mãos misteriosas o haviam impelido para lá? Toda a redondeza encontrava-se deserta, mas, as marcas das rodas ficaram gravadas no chão por muitos anos e hoje é possível encontrar vestígios deste rastro.

N/A, -

CEP - Muriaé - MG

Informações úteis

Localização

Rural

Pontos de referência

Seguindo pela BR 116, sentido Bahia, por aproximadamente 15km, seguir 200 metros a frente da ponte da Represa do Glória e virar à direita em estrada de chão rumo à comunidade do Patrimônio dos Carneiros. A partir da comunidade, seguir à direita por mais 1 km e subir por estrada secundária à esquerda. Subindo por essa estrada de chão por mais 1800 metros, chegamos no atrativo que fica à esquerda.

Horário de funcionamento

Horário de funcionamento

Tipo de visita

Não guiada

Entrada

Franca

Atividades realizadas

Missa aos 5ºs domingos dos meses e caminhadas. Algumas pessoas cavalgam até o local.

Acessibilidade