A Capela primitiva foi construída por volta de 1840 a pedido de Manoel Nunes Folgado fundador da Comunidade de Peixe Cru, trazia todos os traços do colonialismo. Foi construída com materiais fabricados manualmente, como grandes adobes, coberta com telhas de barro cozido e madeira retirada das matas dos arredores e protegida com portas de madeira. Possuía um altar de madeira e um coro que já haviam sido demolidos, mas existentes no imaginário popular foi reconstruído na ocasião da mudança do povoado. Em 1915 foi acrescentado o atual corpo da nave e em 1923 ganhou o sino da Igreja da Matriz de São Pedro de Minas Novas que havia sido demolida. Em 2005 com a construção da Usina Hidrelétrica de Irapé, o povoado de Peixe Cru foi inundado sendo transferido das margens do Jequitinhonha para outro local, desta forma criou-se um projeto de preservação do bem, que constituiu no desmonte da Capela e o assentamento da edificação na região onde hoje é a Comunidade de Novo Peixe Cru mantendo a sua originalidade estética, mas com algumas modificações nas estruturas do telhado e do piso.
A Capela necessita de uma intervenção de restauro no telhado, pois o mesmo apresenta “goteiras” no período de chuva e intervenções de manutenção como pinturas, substituição de alguns rodapés e substituição da madeira da porta da sacristia. 

Tel.: 38 3527 -1130

Praça da Matriz, S/N - Comunidade do Peixe Crú

CEP 39.660-000 - Turmalina - MG

Informações úteis

Localização

Rururbana

Pontos de referência

Seguindo a BR 367, vire a direita no trevo sentindo a cidade de Araçuaí.

Horário de funcionamento

Horário de funcionamento

Tipo de visita

Não guiada

Entrada

Franca

Atividades realizadas

Missas, reuniões da comunidade, novenas, visitações turísticas.

Informações complementares

A Capela primitiva foi construída por volta de 1840 a pedido de Manoel Nunes Folgado fundador da Comunidade de Peixe Cru, trazia todos os traços do colonialismo. Foi construída com materiais fabricados manualmente, como grandes adobes, coberta com telhas de barro cozido e madeira retirada das matas dos arredores e protegida com portas de madeira. Possuía um altar de madeira e um coro que já haviam sido demolidos, mas existentes no imaginário popular foi reconstruído na ocasião da mudança do povoado. Em 1915 foi acrescentado o atual corpo da nave e em 1923 ganhou o sino da Igreja da Matriz de São Pedro de Minas Novas que havia sido demolida. Em 2005 com a construção da Usina Hidrelétrica de Irapé, o povoado de Peixe Cru foi inundado sendo transferido das margens do Jequitinhonha para outro local, desta forma criou-se um projeto de preservação do bem, que constituiu no desmonte da Capela e o assentamento da edificação na região onde hoje é a Comunidade de Novo Peixe Cru mantendo a sua originalidade estética, mas com algumas modificações nas estruturas do telhado e do piso.

Acessibilidade