Quando imaginamos um museu, o que nos vem à mente são paredes cobertas de pó e prateleiras cheias de coisas antigas, sem relação com a nossa vida. E ainda dizem que esses lugares são coisa de gente que gosta de passado, que parou no tempo.

Entretanto, há algum tempo, os museus brasileiros vêm tentando modificar, ou melhor, ressignificar essa representação colocada culturalmente – e injustamente – para nós. Hoje, museu é coisa de todo mundo, é um pedaço da nossa história viva, que fala do passado, do presente, e também – e por que não?! – do futuro. O Museu de Ciências da Terra Alexis Dorofeef (MCTAD) é um desses espaços e, mais do que um museu fadado à poeira, é um centro de estudos, de formação e de projetos de extensão e pesquisa.

O MCTAD, antes de se instalar na casa 31 da Vila Giannetti, era uma coleção de rochas e minerais iniciada por um professor da antiga Escola Superior de Agricultura e Veterinária do Estado de Minas Gerais (ESAV), o próprio Alexis Dorofeef. Ele iniciou a coleção na década de 1930, recolheu e catalogou amostras em todo o país, a fim de enriquecer as suas aulas práticas. Na década de 80, quando Alexis já tinha se afastado da Universidade Federal de Viçosa, duas professoras do Departamento de Solos (DPS), Cristine Muggler – a atual curadora do Museu – e Luciana Maria Lopes, visualizaram naquele acervo a possibilidade de se criar uma exposição que poderia ser mais do que apenas apoio pedagógico às aulas ministradas na Universidade. Luciana, Cristine e, posteriormente, a professora Irene Maria Cardoso, enfrentaram longos dias e noites limpando, organizando e catalogando cada pecinha.

No dia 15 de dezembro de 1993, o Museu de Minerais, Rochas e Solos Alexis Dorofeef ganhou corpo e vida! Construído para ser um Centro de Referência na Zona da Mata mineira, o Museu tinha como objetivo conservar, valorizar e socializar o seu acervo, através da exposição e de atividades educativas. Com o tempo, o Museu percebeu que poderia agir muito mais na popularização de seus temas junto à comunidade viçosense.

Assim, foi criado em 2000, o Programa de Educação em Solos e Meio Ambiente (PES), um programa de extensão do DPS, que agrega estudantes, professores e técnicos de diferentes áreas do conhecimento. O objetivo comum era trabalhar temas de Solos e Meio Ambiente em atividades com escolas públicas, visitas monitoradas e programas de capacitação de professores. O MCTAD passou a se assumir enquanto espaço de educação e divulgação científicas, valorizando a construção e democratização dos saberes, cultivando parcerias com grupos da Universidade, como o Programa Teia, e com os Movimentos Sociais.

O fortalecimento das atividades do PES junto às escolas levou a um crescimento de potencialidades do Museu. Era hora de mudar de novo e ampliar suas atividades. Em 2005, quando a abordagem das Ciências da Terra cresceu dentro do contexto dos temas ambientais, o Museu readequou sua temática e metodologia e ampliou a sua denominação para Museu de Ciências da Terra Alexis Dorofeef, reorganizando-se em três eixos conceituais: O Sistema Terra: dinâmica e processos; Recursos Minerais: uso econômico e impactos ambientais; e Solos: conhecer para conservar.

As mudanças operadas ao longo da história do MCTAD, fizeram com que o Museu se constituísse em um espaço de inclusão social, que estimula a construção não só do conhecimento, mas também de valores e atitudes comprometidas com o meio ambiente. Surgiram, sob essa perspectiva, novos sonhos e novas conquistas, que se refletiram nos projetos “Vivendo o Solo”, “Proibido Não Tocar”, “Exposições Itinerantes”, “Curso Anual de Professores”, “Curso de Solos e Percepção Ambiental em Alternância”, “Conhecer e Gostar de Solos” e em oficinas, minicursos, “Semanas do Museu”, além da “Conviverde”, a Sala Verde de Viçosa sediada no Museu.

São vários anos de histórias, realizações, alegrias, aprendizados e (des)construções na tentativa de construir um Museu cada vez mais vivo! Museu cada vez mais! Museu vivo!

Tel.: (31) 3899-2662

Campus UFV, - Campus UFV

CEP 36.570-000 - Viçosa - MG

Informações úteis

Localização

Urbana

Pontos de referência

UFV

Horário de funcionamento

Horário de funcionamento

Tipo de visita

Auto-guiada, Guiada

Entrada

Franca

Atividades realizadas

Hoje, museu é coisa de todo mundo, é um pedaço da nossa história viva, que fala do passado, do presente, e também – e por que não?! – do futuro.

Acessibilidade