Turismo em Minas Gerais | Poesias em Minas Gerais: Tiradentes

1.075
Foto por: Evandro Rodney
Atualizado em: 16/09/2022

Memórias em poesia: Poesias sobre Minas Gerais através das palavras de uma mineira

 

Não são só os nossos grandes artistas que representam Minas por meio de seus poemas e poesias, aqui a arte está presente e espalhada em cada lugarejo, em cada cidade e em cada mineiro.

 

O Blog Daqui de Minas está um pouco diferente hoje, mais romântico, cheio de arte, memórias, histórias e desejos que traduzem o que é ser mineiro e o que é vivenciar Minas Gerais.

Só quem já nos visitou sabe de verdade as maravilhas de que esses poemas contam. Mas, para quem nunca pisou em terras mineiras tenho certeza que a vontade de viver o que a autora viveu vai surgir. 

E cá para nós, Minas está de braços abertos para te receber!!!

 

Instantes vistos

"Azulejos antigos.

Casas de outras décadas me chamam atenção. Quero fazer um tour pelo bairro de Santa Tereza.

Coletânea de memórias.

Revisito minhas memórias diariamente, enquanto sinto o cheiro de fogão à lenha ou ouço uma canção.

Lembranças não esquecidas.

Me lembro do cortejo de Congado em Tiradentes, durante o Festival de Cinema num verão em janeiro. 

Belezas frágeis.

Não vi as flores desabrocharem, quando dei por mim já estavam floreando os caminhos.

Instantes vistos.

Hoje de tarde eu percebi. Percebi a quietude das árvores.

Memória adocicada.

A torta doce que meu pai fazia levava sempre biscoito champanhe.

Memória em mim é chama que não se apaga

É ter afeição pelos pequenos instantes

É lembrar sempre… E lá se vai mais um dia…"


Foto: Foto da Festa de Nossa Senhora do Rosário em Belo Horizonte.

 

Memórias de um fogão a lenha

"Gosto de algo. Sabe o que é?!

Gosto da fumaça cor grafite que o fogão à lenha sopra

Aliás, gosto muito do doce aroma do fogão à lenha. 

É memória afetiva sabe… lembra em mim casa de vó.

Gosto às vezes quando logo nas manhãs nubladas, sei lá vindo da onde, sinto assim solto no ar cheiro de fogão à lenha.

Para falar a verdade, lenha é uma palavra bonita. Mantém sua beleza em lentidão enquanto se desfaz para criar calor, aquecendo o milho assado e trazendo aconchego nas noites frias de festa junina.

Outra memória de vó: milho assado. E acrescento o angu de milho também.

Gosto de colecionar memórias. E especialmente acho que memórias que lembram gostosuras doces ou salgadas são muito bem-vindas em mim. Guardo-as num pote de vidro como esses de cozinha.

Mas é isso né, creio que você concordará comigo: cozinha é onde nascem e crescem algumas das memórias mais agradáveis. Aquelas que aquecem a alma como o fogão à lenha e perfumam nossas tardes qualquer.

Adoro isso, sem que eu planeje ou trace todo um roteiro, o poema memória pousa em mim. E aí a memória queima em mim como lenha no fogão, na noite de São João, aliás noite do meu nascimento."


 

Foto: Foto de um delicioso rocambole mineiro e ao fundo um fogão a lenha.

 

Cheiro de curral

"Hum, vontade de sentir cheiro de curral

Mas como que faço?

Moro longe do pasto e próximo dos prédios

Quero o aroma do mato,

Pés descalços anseiam a grama tocar.

 

Queria contemplar o horizonte sem fim

Só avistar serras e colinas

No alto do monte a capela

O sino a badalar anunciando a missa.

 

Queria ouvir o trote dos cavalos

Enquanto se exibem nas ruas de pedra de sabão

Queria repousar na sacada dos casarões

Enquanto a noite desce, as lamparinas nas ruas se acendem

 

Queria o sabor do doce de compota

O queijo bem fresco acompanhado do cafè

Queria nesse frio o calor do fogão à lenha

O tropeiro quase pronto pra hora da janta

 

Queria contemplar a quietude dos fiéis

Que celebram a fé em meio a preces e cantos

Queria adentrar as portas da igreja

Igrejas de paredes gastas,

Igrejas que teimam em permanecer como alicerce da cultura e crença de um povo

 

Queria o cheiro do mofo

A teia de aranha

O rangido dos degraus

A formosura do objeto antigo

Presentes num antiquário

 

Queria o cheiro da natureza

O som do riacho

Queria contemplar o tempo quase parado

Nas paisagens do interior

 

Queria a quietude das tardes de inverno

Sentada no banco da praça de frente pra capela

Queria a simplicidade com a qual discorre os dias no interior

Queria…

 

Queria sentir o cheiro do curral...

Mas tô tão longe?

O que faço?!"

 

Foto: Parque Estadual do Biribiri e os horizontes das gerais.

Ah, Camila… Não só você, mas todos que estiverem longe podem correr para os muitos destinos de Minas Gerais, para se aventurar no interior, entrar em contato com a natureza, se deliciar com a comida mineira e o fogão a lenha e criar muitas memórias incríveis e únicas por aqui!

Descubra mais em: 4 Destinos para quem vem a Minas de carro partindo de São Paulo.

 

Sobre o Autor

Camila de Figueiredo Pimenta

Mineira apaixonada por Minas. Amo viajar e descobrir novas culturas e outras naturezas. Me interesso muito por turismo e patrimônio cultural.

Comentários

O que eu procuro em Minas?