Turismo em Minas Gerais | O que fazer em Paracatu

Foto por: Jean Rodrigues - Ruas do Centro Histórico de Paracatu
Atualizado em: 10/08/2021

O que fazer em Paracatu

 

Paracatu é um destino fora do óbvio para quem quer explorar Minas Gerais viajando de carro.

 

Paracatu é um daqueles lugares especiais que você só encontra em Minas. De fato, um feliz achado. 

A oportunidade de conhecer Paracatu apareceu pra mim em 2018. Já tinha ouvido falar. Paracatu possui um preservado centro histórico, testemunha do nosso período colonial, lá no século 18.

Isso foi o suficiente para vir a minha cabeça as palavras de uma professora, que dizia que “toda cidade é histórica,  com suas construções, casarios, igrejas e outras edificações antigas de valor histórico, cada uma de épocas diferentes”.

A equação que fiz na cabeça foi: cidade centenária + riqueza em história + cultura = uma boa viagem garantida.

Comecei a “explorar” a cidade antes mesmo de viajar, e isso foi o suficiente pra me motivar a arrumar as malas e partir rumo ao noroeste mineiro, bem próximo a Goiás e Brasília.

 Assim fui eu, em busca de conhecer uma cidade cheia de histórias.

Distâncias

De Belo Horizonte –507 km

De Goiânia – 386 Km

De Brasília – 235 km

De Uberlândia – 337 km

De Montes Claros – 466 km

 

 

Curiosidades sobre Paracatu

  • Paracatu é conhecida como a Capital Mundial do Pão de Queijo: de acordo com a prefeitura da cidade, ali são produzidos cerca de 17 mil unidades de pão de queijo por dia. A cidade até celebra o Dia Municipal do Pão de Queijo, dia 5 de julho;
  • Paracatu é uma cidade centenária, nasceu no século 18. Seu centro histórico foi tombado como Patrimônio Cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN);
  • Em 1820, José Bonifácio, quem organizou o primeiro ministério brasileiro, chegou a sugerir que o local onde hoje é Paracatu se tornasse a nova capital brasileira, já com o nome de Brasília;
  • Paracatu guarda registros da passagem pela cidade da bela e forte jovem conhecida como Dona Beja, que teve um posicionamento incomum a mulheres na sociedade daquela época. Atribuem a Dona Beja o mérito de ter contribuído para a reconquista do Triângulo Mineiro ao estado de Minas Gerais (antes a região pertencia ao estado de Goiás).

 

O que conhecer por ali

 

Sou aquela turista que gosta de mesclar cultura e natureza, e Paracatu é uma cidade que oferece um pouquinho de tudo.

 

 

Conhecendo os sabores locais


A gastronomia da região por si só chama a gente pra um dedinho de prosa acompanhado de um bom café.

O forte da cidade são as quitandas mineiras, ou seja, todas aquelas delícias que acompanham uma bela mesa de café: pão de queijo, roscas, biscoitos, bolos, doces, geléias...

 

Foto: Na Capital Mundial do Pão de Queijo, qualquer dedinho de prosa combina com essa quitanda deliciosa.  

 

Deu pra imaginar o cheirinho das fornadas de quitandas saindo daí?

Pude experimentar a empada de capa fina, pão de queijo, queijadinha, doces de frutas, o bolo mané pelado, a famosa desmamada, que é  um bolo regional feito de coco ralado e leite de coco. Tudo isso pode ser saboreado nas vendas de quitandas da cidade.

Os sabores e aromas são inesquecíveis.

 

Passeios culturais

 

Fui conhecer o centro histórico da cidade, por sinal bem intacto, que preservou as características do Ciclo do Ouro.

 

Foto: A beleza das fachadas no preservado centro histórico de Paracatu.

 

A primeira coisa que minha mãe pediu quando contei que iria visitar a cidade foi para tirar uma foto na Casa da Dona Beja. A lendária Dona Beja,uma personagem conhecida pela sociedade do século 19.

Dona Beja residiu em Paracatu por dois anos, quando, após ser raptada, viveu como amante do ouvidor na Vila do Paracatu do Príncipe. É possível conhecer a fachada da sua casa, que fica bem em frente a Praça do Santana, com diversas opções de restaurantes. O local é agradável e ideal para aproveitar um final de tarde e o sabor da cozinha mineira local.

Além dessa personagem ilustre, a cidade é repleta de belíssimas fachadas de casarões, em um centro histórico muito bem preservado, tombado como Patrimônio Cultural Nacional.

 

Foto: Centro histórico de Paracatu.
 

Foto: Igreja Matriz de Santo Antônio, construída no início do século 18.

 

Um lugar que me chamou a atenção foi a Casa da Cultura, um espaço que realiza exposições culturais, oficinas de arte e de projetos culturais.

Foto: Conhecendo a Casa de Cultura de Paracatu. A fachada do lugar já encanta.

 

Foto: Na Casa de Cultura de Paracatu.

 

Ao andar pelo centro histórico, também conheci a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, marcada por ser uma transição da arquitetura colonial mineira para a arquitetura goiana.

 

Foto: O charme das cidades coloniais, com suas ruas de pedras. Ao fundo, a fachada da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. 

 

Visitei o Museu Histórico Municipal de Paracatu Pedro Salazar Moscoso da Veiga,  destinado ao estudo, exposições, obras de arte e de objetos da região e o Chafariz da Traiana.

 

Foto: O belíssimo chafariz da traiana, no centro histórico da cidade de Paracatu.

 

Os pontos turísticos do centro histórico se complementam, com uma visita guiada pude entender como a cidade se desenvolveu, suas características arquitetônicas e históricas.

 

Foto: É interessante admirar intervenções contemporâneas conversando e ressignificando o espaço da cidade.

 

Foto: Pinturas nos muros do centro histórico deixam a cidade ainda mais cenográfica.

 

Passeios ao ar livre

O Noroeste de Minas abriga belas paisagens naturais e muitas opções de passeios para quem está em busca de contato com a natureza e um bom banho de cachoeira, claro.

Em Paracatu é possível conhecer um circuito de cachoeiras, o Circuito das Cachoeiras do Prata. Para conhecê-lo é preciso ter um carro à disposição, já que ele fica a cerca de 40 km do centro de Paracatu. Para chegar até o complexo é preciso passar por trechos em estrada de terra.

Essa região abriga as principais quedas d’água da cidade: Cachoeiras do Ascânio, Cachoeira Sarana, Cachoeira Vale Encantado, Cachoeira Altar, Cachoeira Sete Quedas, Cachoeira do Teixeira, entre outras.

Visitei a Cachoeira do Ascânio, com uma queda de 40 metros e com uma trilha curta e de fácil acesso para chegar a parte baixa. Localizada em uma propriedade privada, o espaço conta com uma estrutura de restaurante e uma pousada.

 

Foto: Mergulhando na Cachoeira do Ascânio.

 

Da pousada à cachoeira fiz uma trilha de apenas 15 minutos. Para quem não tem o costume de andar poderá ter dificuldade no momento da descida até a parte baixa, que é um pouco íngreme. Mas a pequena caminha compensa, viu? Ali fiquei por contemplando a cachoeira por alguns minutos, antes de mergulhar nas águas super convidativas da cachoeira para amenizar o calor, que é bem comum na cidade.

Acabei resolvendo ir conhecer a parte superior da cachoeira. Fiz a trilha, que também considero de fácil acesso, com a mesma dificuldade. Confesso que ver a cachoeira de cima para quem tem medo de altura dá um frio na barriga, mas a visão lá de cima acaba dando coragem pra contemplar a paisagem.

Foto: Conhecendo a parte alta da Cachoeira do Ascânio.

 

Após curtir a natureza e um bom almoço mineiro, parti para explorar outra cachoeira, a Fazenda da Sarana.  

Uma agradável surpresa ao chegar à fazenda que abriga esta cachoeira é uma belíssima capela.  

 

Foto: Singela capela que encontrei durante a visita ao complexo de cachoeiras.  

 

Conheci também um casarão em estilo colonial, disponível para hospedagem.

Foto: Casarão colonial. 

 

A Cachoeira Fazenda da Sarana tem um poço grande para banho, uma ótima opção para curtir com a família. É aquele lugar que não dá vontade de ir embora.

 

Dicas para conhecer Paracatu

  • Partindo da capital mineira, sugiro se planejar 5 dias de folga para conhecer os principais pontos turísticos da cidade e conseguir e voltar com tranqüilidade, considerando um dia de viagem para ir e outro para voltar;
  • Grande parte das cachoeiras de Paracatu está presente em propriedades privadas. É preciso pagar para conhecê-las, em algumas delas, é necessário agendar a visita.
  • Durante a pandemia de Covid-19, entre em contato com os pontos turísticos com antecedência para checar se estão abertos e respeite os protocolos sanitários.

 

Deu pra ver que Paracatu é aquela cidade que você fica com gostinho de quero mais, não é? 

Como uma pessoa que ama viajar e que escolheu o turismo para formação e profissão, visitar cidades como Paracatu reforça o desejo de continuar conhecendo os cantos e encantos desse estado lindo.

 

Conta pra gente, Paracatu entrou na sua lista de destinos que precisa conhecer?

 

Conheça outros destinos mineiros clicando aqui - Ouro Preto e Brumadinho: uma viagem cultural à Minas Gerais

Sobre o Autor

Thalita Brito

Apaixonada por conhecer destinos e culturas diferentes, geminiana inquieta que curte uma boa trilha e que gosta de livros e séries.

Comentários