As terras foram doadas em sesmaria a uma família portuguesa, de nome Batista de Miranda, que nelas construiu as primeiras casas, por volta de 1840. Em 1841, a povoação conhecida como Santo Antônio do Setubinha, já servia de referência para Cassimiro Gomes Leal. Por ela passaram, em 1847 e 1852, as expedições de Teófilo Benedito Otoni rumo ao Vale do Mucuri. Novas famílias, algumas de tradição mineira como a Paula Dias, que descende de Alvarenga Peixoto, foram chegando e trazendo o progresso para a povoação, que se tornou Paróquia e foi elevada à categoria de Distrito de Minas Novas.

    Há também registros de famílias originárias de imigrantes portugueses e libaneses e, nas áreas de ocupação mais antigas foram relatados encontros com povos indígenas e encontrados sinais da presença anterior destas populações, apesar de ser inexplicável seu desaparecimento. As famílias sobreviviam da agricultura e transportavam seus produtos em lombo de animais até Sucanga (Poté) e daí de trem até Teófilo Otoni, onde eram comercializados. 

Ver mais