Portal Minas Gerais - Eventos: FOLGUEDO DO BOI LARANJA



SOBRE O EVENTO

Folguedo popular que ocorre na Semana Santa em alguns bairros da Zona Rural de Andradas.

O folguedo do Boi Laranja é realizado na Sexta-feira Santa, no Distrito da Gramínea; e no Sábado de Aleluia, no bairro de São Pedro da Barra. No Distrito da Gramínea, o Boi Laranja tem início a partir das 00h00, em ponto, de sexta para sábado. Já no Bairro de São Pedro da Barra, a festividade tem início após a missa das 19h. O Boi Laranja consiste em uma brincadeira em que um “boi” é confeccionado em um suporte feito com taquara, caixas de feira ou caixotes de madeira. Logo após sua confecção, são fixados nestes suportes a cabeça de um boi, que segue um certo ritual, já que os participantes deste folguedo saem pelas propriedades rurais atrás de crânios bovinos, com o objetivo utilizá-las na atividade. Nesta fase da brincadeira, percebemos muita conectividade entre os participantes, que se ajudam bastante na tarefa de confeccionar os bois. Além do crânio bovino, usam tecidos, panos de estopa e lonas como adereços para o enfeite do Boi Laranja. Em seguida, os participantes passam óleo queimado nesses bois e saem correndo atrás das pessoas que querem participar da brincadeira. O objetivo do condutor do Boi Laranja é sujar quem o enfrentar de óleo queimado. Já o do folião que enfrenta o desafio, é o de desviar dos bois com o máximo de destreza possível. No Bairro de São Pedro da Barra, os foliões não costumam passam óleo queimado em seus bois. Esta brincadeira possui algumas regras: aos foliões, é proibido perseguir os espectadores que estiverem nas casas, no coreto, nos carros ou na escadaria da Igreja. Já no bairro de São Pedro da Barra, a escadaria da Igreja não é zona de refúgio da brincadeira, e sim, o “coretinho” e as casas. Esta manifestação popular do município de Andradas acontece sempre com o intuito de divertir os moradores das respectivas localidades. Nos primórdios da brincadeira, lá pelos anos de 1940, colocava-se uma laranja entre as cavidades orbiculares do “boi”. Daí, surge o nome de Boi Laranja, segundo nos conta o Sr. Geraldo Beratti, um dos mais antigos moradores do Distrito da Gramínea e um dos percursores dessa manifestação cultural, ao lado de seu irmão Lázaro Beratti (in memoriam). Como todo bem intangível, a pesquisa para a confecção do Dossiê de Registro percebeu que a prática do bem passou por diversas transformações ao longo do tempo. O Boi Laranja praticado em Andradas possui similaridades com outros territórios do Brasil, tais como Florianópolis-SC, São Caetano de Odivelas-PA e Guaraciaba-MG. Estas manifestações possuem no Brasil diversas variações, com tipos diferentes de apresentação, mas semelhantes na origem de sua história. Muitas relações podem ser observadas entre o Boi Laranja, o Boi-de-Mamão e o Boi-Bumbá, ou o Bumba-Meu-Boi, realizado no Norte do país. Todavia, para conhecer a verdadeira origem dessas tradições, algumas pesquisas levantadas por folcloristas apontam que suas raízes estão na Península Ibérica, entre o sul de Portugal e a região sudoeste da Espanha, na Galícia. Essa é uma região onde foram registradas as primeiras referências do costume, por antropólogos e historiadores. O uso recreativo com bois ornamentados é uma tradição europeia antiga, que pode ser de certa forma percebida até na Antiguidade Ocidental, mas que de certa forma também aportou no processo de colonização do continente americano. Pelo Dossiê de Registro já finalizado e aprovado pelo COMPAC (Conselho do Patrimônio Artístico e Cultural de Andradas), pode-se perceber que o Boi Laranja, assim como outras manifestações populares similares que acontecem em diversas localidades do Brasil, podem ter como raízes as imigrações portuguesas e espanholas. O Sr. Paulo Massaro, antigo morador de São Pedro da Barra, nos relatou que o costume começou sob a influência de um imigrante espanhol em Andradas na década de 1940. Tal informação desta fonte oral pode ser uma das hipóteses para a origem do folguedo, visto que a comunidade de imigrantes espanhóis foi a segunda em números (só perdendo para a italiana). Assim, fazer essa analogia não é nada absurdo. A grande influência econômica, cultural e social que a figura do boi tem ao longo da História do Brasil, também é um paralelo importante ao analisar o bem cultural. A grande preponderância católica que os ibéricos trouxeram em suas imigrações às Américas também é um fator, visto que a manifestação do Boi Laranja é sempre realizada em uma Semana Santa. A celebração é inventariada e registrada como patrimônio cultural do município.

Você Também Vai Gostar

O que eu procuro em Minas?