Turismo em Minas Gerais | Dicas Incríveis do que Conhecer em Minas

Dicas Incríveis do que Conhecer em Minas

Foto por: Foto: Gabriela Souza
Atualizado em: 01/10/2020


Descubra dicas pra lá de especiais sobre lugares e pontos turísticos em Minas. Tem caminhada, cachoeira, história, música, literatura e muita paixão! 

 
Morar num estado como Minas que, além de lindo, tem diversas opções de pontos turísticos para ir, que atendem diferentes gostos, é um suspiro de alívio em meio a correria da vida. 
Hoje, o relato de viagens é com a equipe de estagiários mais viajada do estado. As dicas do que conhecer em Minas Gerais são quentes e cabem no bolso. 
Capitólio - O Mar de Minas


Um dia desses tive o privilégio de realizar uma das viagens mais lindas e gostosas da minha vida. Sempre foi meu sonho conhecer este lugar, porque como uma boa paulista vivendo em terras mineiras, além de me perguntarem se eu comia bem demais, todo mundo queria saber se eu já havia visitado Capitólio, o famoso “Mar de Minas” , localizado à sudoeste do estado, que está a cerca de 280 km de BH.
Onde se hospedar
Fiquei hospedada em um hostel situado no topo de um morro, bem na cidade. A vista é super privilegiada e impressiona  já no café da manhã. Confesso que a subida após um dia inteiro perambulando por aí e conhecendo vários lugares era desafiadora, mas o que seria de uma viagem por Minas sem ter que subir morro, não é mesmo?
O que conhecer


Dos atrativos que conquistaram o meu coração: o primeiro deles foram os cânions. Não tem propaganda no mundo que consiga traduzir a beleza da paisagem dos imensos paredões de rocha e as águas do Lago de Furnas
O passeio de lancha é uma ótima opção para conhecer os cânions e algumas cachoeiras que fazem parte do percurso, como a Cachoeira Lagoa Azul, a Cachoeira dos Cânions e o Vale dos Tucanos. Ele sai do Rio Turvo na MG50 e dura de 2 a 4 horas. Já o Mirante dos Cânions, que nos permite apreciar tudo lá do alto, é parada obrigatória e garante lindas fotos! 
Outro lugar imperdível é o Canyon Cascata. Se você curte uma trilha tranquila em meio à natureza passando por diversas piscinas naturais, você acaba de dar match com seu atrativo. As quedas d’água, o azul do céu e a beleza das rochas compõem uma paisagem de tirar o fôlego! A trilha possui ao todo 9 piscinas naturais e 3 mirantes, sendo o último deles o mais lindo, propiciando uma vista incrível do Lago de Furnas! 
Capitólio ainda guarda muitos lugares maravilhosos e com certeza deve entrar na sua lista de desejos dos destinos mineiros que precisa conhecer!


Cenários Roseanos - Parque Nacional da Sempre-Viva - Curimataí


Próximo ao coração do cerrado mineiro está o Parque Nacional das Sempre-Vivas, um lugar de vegetação rasteira e clima árido que serviu de cenário para passagens de Guimarães Rosa e seus contos sertanejos. A aproximadamente 290 km da capital, entre Diamantina e Buenópolis encontra-se o distrito de Curimataí, um lugar charmoso e aconchegante, porta de entrada para o parque. 
Caminhar estrada de chão adentro e perceber o cerrado mineiro, como tratado na obra de Guimarães Rosa, é místico e traz consigo muita força e beleza. Aos que gostam de trilha e natureza é a opção perfeita. 
Onde se hospedar
Curimataí é um lugar pequeno, mas que oferece opções de hospedagem tanto aos que procuram conforto, em pousadas, quanto aos aventureiros, que gostam de acampar. Na ocasião acampei pela primeira vez e foi uma experiência única. 
O que conhecer


As cachoeiras do lugar são um deleite a parte, águas fresquinhas que contrastam com o calor típico do norte de Minas e verdadeiros cenários que vão gerar fotos dignas de um book! 
Outra atividade imperdível no parque foi poder conhecer uma vereda, a formação vegetal que parece um verdadeiro oásis, tem árvores altas e provém água fresquinha. 
Por fim, as sempre-vivas que dão nome ao parque, são um charme a parte e de experiência própria, formam o arranjo perfeito pro chapéu de palha, item indispensável para a caminhada ao sol. 
A longa caminhada parece pequena quando se está acompanhado dos amigos e o sol parece existir para iluminar as cachoeiras do lugar, uma aventura desafiadora, porém recompensante, vale a pena o esforço!


Diamantina: A Cidade Musical


Localizada  a cerca de 300 km de BH, está Diamantina, que tem o título de Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. 
Cabe ressaltar que, a cidade como um todo, tem uma riqueza cultural inexplicável. Os tropeiros, os garimpeiros e todas as ricas memórias que Diamantina possui, inspiram a percorrer suas ruas.
Onde se hospedar


O local em que nos hospedamos é um dos principais atrativos da cidade, a Casa da Glória, experiência que é reservada a estudantes e pesquisadores da UFMG. Mas fique tranqüilo, Diamantina tem boas opções de hospedagem por toda a cidade, pra curtir melhor a cidade fique no centro histórico.
O que conhecer
Conheci diversos patrimônios da cidade, os materiais e imateriais
A Casa da Glória é um ícone da cidade, sendo o seu passadiço escolhido como o símbolo da campanha “Diamantina – Patrimônio Cultural da Humanidade”.
Participei também da Vesperata, que é um dos principais eventos musicais mineiros, onde o público assiste às bandas tocarem na sacada dos casarões e acontece a cada 15 dias nos sábados de março a novembro . O evento alegra os turistas e moradores, possibilitando uma troca  e tornando uma experiência musical e sensorial inexplicável.
De todas as experiências inesquecíveis em Diamantina, a mais especial foi a Oficina de Toque dos Sinos. Ao final do curso foi realizada uma visita à torre da Igreja de Nossa Senhora das Mercês em que todos tivemos a oportunidade de tocar o sino! Além da igreja ser maravilhosa foi uma oportunidade única de subir na torre da igreja. Confesso que fiquei com medo durante a subida, mas a vista da cidade é impecável! Valeu a pena cada segundo dessa experiência e eu recomendo todos e todas a conhecerem Diamantina. 


Travessia Lapinha-Tabuleiro


Tomei coragem e encarei a minha primeira travessia. Ao todo foram 3 dias de caminhada, 45km, dois biomas e diversas paisagens indescritíveis. Saindo de Lapinha da Serra-Santana do Riacho,  e a chegando em Tabuleiro-Conceição do Mato Dentro
Durante o percurso que passa pelo Pico do Breu e se adentra pela Serra do Intendente, as curvas do Espinhaço são o palco da nossa travessia. A vista e as paisagens que o caminho proporciona são de encher os olhos, poder sentir e observar a transição de biomas, a vegetação endêmica da região, campos rupestres, sempre-vivas, além de alguns riachos de águas cristalinas, foi incrível!
Onde se hospedar
Para cumprir a travessia é preciso encarar a ideia de acampar e todas as consequências que essa hospedagem pode trazer.  É bom analisar as condições climáticas da época do ano e se prevenir!
O que conhecer
Guimarães Rosa já dizia “o real não está na saída, nem na chegada, ele se dispõe pra gente é no meio da travessia”. 
Rosa estava certo, ao longo de três dias de caminhada, o mais fascinante não é apenas as paisagens externas desbravadas no caminho - que por sinal são belíssimas - mas sim a reconexão consigo mesmo. 
A travessia não é apenas física e geográfica, ela também é descoberta, é superação, é encontro e se encerra na Cachoeira do Tabuleiro, a cachoeira mais alta de Minas Gerais e a terceira mais alta do Brasil (273m de queda livre), a qual curiosamente possui o formato de coração. Simbólico, não? 
E por falar em coração, prepare o seu para uma aventura de encher os olhos! Você não vai se arrepender! 


Ouro Preto - A Cidade Monumento


Imagine uma viagem de dois dias com os amigos por uma das cidades mais belas do estado? Tive a oportunidade de fazer essa viagem por Ouro Preto e foram dias tão incríveis que esse relato daria um guia!
Onde se hospedar
Na ocasião, estive hospedada em uma casa próxima a estação de trem que leva a Mariana, e também da UFOP. O centro histórico oferece ótimas opções de hospedagem, sempre próximas aos principais atrativos. 
O que conhecer


No primeiro dia fomos conhecer a cidade logo cedinho. Passamos pelas lindas igrejas de São Francisco de Assis e Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. Logo em seguida, visitamos as Minas do Palácio Velho, lugar recheado de contos e histórias explicados por seus guias simpáticos e cheios de alegria, que fizeram a total diferença na visita.
Além dessas experiências incríveis, pudemos conhecer outros lugares que fazem parte da história mineira, como a Casa de Tomás Antônio Gonzaga que foi residência do poeta inconfidente quando este exerceu o cargo de ouvidor-geral e o Museu Casa dos Contos, que foi nomeado quando o local foi destinado à sede da Administração e Contabilidade Pública da Capitania de Minas Gerais. Em suas instalações existem peças ligadas a evolução da moeda e do fisco. Além disso, estão também em exposição alguns objetos e móveis de época. 
E a expedição dos aventureiros não acabou por aí. Após esse rolê cult pela luz do dia, logo a noite fomos aproveitar outra coisa que Ouro Preto tem de melhor: C-A-R-N-A-V-A-L. Era a abertura do evento e não dava pra perder de jeito nenhum! 
No outro dia pela manhã já estávamos a caminho do Parque Natural Municipal das Andorinhas, que por sinal foi uma das dicas do guia. Segundo ele, se formos a Ouro Preto e não visitarmos o parque, não fomos a Ouro Preto. E ele estava certo, o Parque é um verdadeiro espetáculo não só pela beleza do lugar, mas também por sua energia revigorante.
Entre passeios históricos, carnaval, caminhadas longas e paisagens revigorantes, nos despedimos de Ouro Preto já planejando a volta. E você? Tá esperando o que pra começar a se programar? 


Cenários Roseanos - Paredão de Minas


O distrito de Paredão de Minas, município de Buritizeiro, é um lugarejo simples e acolhedor, onde o tempo não segue o relógio. No meio do bucólico (e invisível) cerrado mineiro, às margens do Rio do Sono, Paredão se apresenta como uma grata surpresa para quem deseja conhecer o modo de vida dos sertanejos.
Onde se hospedar
Hospedar-se em Buritizeiro é a melhor opção, a cidade dá acesso ao distrito com uma infraestrutura bacana para curtir a viagem. Os mais aventureiros vão amar a experiência!
O que conhecer


Como sabemos, a obra de Guimarães Rosa possui relevância e alcance internacional e, com isso, os amantes da obra de Rosa têm se dirigido aos locais descritos e imaginados em seus livros.
Em Grande Sertão: Veredas, Paredão de Minas aparece como sendo o lugar da batalha final, e se eu falar mais que isso vai ser spoiler. Grande parte dos que visitam o local, o procuram por conta desse elemento literário Roseano. Além disso, foi cenário para a gravação da minissérie Grande Sertão: Veredas, no ano de 1985, fato que os moradores contam com certa satisfação.
Existem poucas casas e poucos moradores, é um lugar de extrema tranquilidade e paz.
Paredão é banhado pelo Rio do Sono e possui várias cachoeiras, sendo necessário fazer uma boa caminhada adentrando o sertão para chegar até elas, o que vale a pena. Passar uns dias ali é vivenciar um encontro com o desconhecido sertão e com o modo de vida dos sertanejos que resistem e se reinventam para sobreviver.


E aí? O que achou desses relatos  por Minas? Tem caminhada, cachoeira, história, música, literatura, tem chapéu de palha, comida mineira e muita paixão por esse estado que de tudo tem um pouco. 
Aproveite essas dicas se inspire para escolher o destino da sua próxima viagem, com certeza vai valer a pena esse rolê!


Gostou desse relato? Leia Mais aqui!

Comentários